quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Os Sertões - 04 / 49

   



Os Sertões, de Euclides da Cunha


Capítulo III


O clima
Dos breves apontamentos indicados, resulta que os caracteres geológicos e topográficos, a par dos demais agentes físicos, mutuam naqueles lugares as influências características de modo a não se poder afirmar qual o preponderante.
Se, por um lado, as condições genéticas reagem fortemente sobre os últimos, estes, por sua vez, contribuíram para o agravamento daquelas; e todas persistem nas influência recíprocas. Deste perene conflito feito num círculo vicioso indefinido, ressalta a dignificação mesológica do local. Não há abrangê-la em todas modalidades. Escasseiam-nos as observações às coisas desta terra, com uma inércia cômoda de mendigos fartos.
Nenhum pioneiro da ciência suportou ainda as agruras daquele rincão sertanejo, em prazo suficiente para o definir.
Martius por lá passou, com a mira essencial de observar o aerólito, que tombara à margem do Bendegó e era já, desde 1810, conhecido nas academias européias, graças a F. Mornay e Wollaston. Rompendo, porém, a região selvagem, desertus austral, como a batizou, mal atentou para a teria recamada de uma flora extravagante, sylva horrida, no seu latim alarmado. Os que o antecederam e sucederam palmilharam, ferretoados da canícula, as mesmas trilhas rápidas, de quem foge. De sorte que sempre evitado, aquele sertão, até hoje desconhecido, ainda o será por muito tempo.
O que se segue são vagas conjeturas. Atravessamo-lo no prelúdio de um estio ardente e, vendo-o apenas nessa quadra, vimo-lo sob o pior aspecto. O que escrevemos tem o traço defeituoso dessa impressão isolada, desfavorecida, ademais, por um meio contraposto à serenidade do pensamento, tolhido pelas emoções da guerra. Além disto os dados de um termômetro único e de um aneróide suspeito, misérrimo arsenal científico com que ali lidamos, nem mesmo vagos lineamentos darão de climas que divergem segundo as menores disposições topográficas, criando aspectos díspares entre lugares limítrofes. O de Monte Santo, por ex., que é, ao primeiro comparar, muito superior ao de Queimadas, diverge do dos lugares que lhe demoram ao norte, sem a continuidade que era lícito prever de sua situação intermédia. A proximidade das massas montanhosas torna-o estável, lembrando um regímen marítimo em pleno continente: escala térmica oscilando em amplitudes insignificantes; firmamento onde a transparência dos ares é completa e a limpidez inalterável; e ventos reinantes, o SE no inverno e o NE no estio — alternando-se com rigorismo raro. Mas está insulado. Para qualquer das bandas, deixa-o o viajante num dia de viagem. Se vai para o norte, salteiam-no transições fortíssimas: a temperatura aumenta; carrega-se o azul dos céus; embaciam-se os ares; e as ventanias rolam desorientadamente de todos os quadrantes — ante a tiragem intensa dos terrenos desabrigados, que dali por diante se estiram. Ao mesmo tempo espelha-se o regímen excessivo: o termômetro oscila em graus disparatados passando, já em outubro, dos dias com 35° à sombra para as madrugadas frias.
No ascender do verão acentua-se o desequilíbrio. Crescem a um tempo as máximas e as mínimas, até que no fastígio das secas transcorram as horas num intermitir inaturável de dias queimosos e noites enregeladas.
A terra desnuda tendo contrapostas, em permanente conflito, as capacidades emissiva e absorvente dos materiais que a formam, do mesmo passo armazena os ardores das soalheiras e deles se esgota, de improviso. Insola-se e enregela-se, em 24 horas. Fere-a o sol e ela absorve-lhe os raios, e multiplica-os e reflete-os, e refrata-os, num reverberar ofuscante: pelo topo dos cerros, pelo esbarrancado das encostas, incendeiam-se as acendalhas da sílica fraturada, rebrilhantes, numa trama vibrátil de centelhas; a atmosfera junto ao chão vibra num ondular vivíssimo de bocas de fornalha em que se pressente visível, no expandir das colunas aquecidas, a efervescência dos ares; e o dia, incomparável no fulgor, fulmina a natureza silenciosa, em cujo seio se abate, imóvel, na quietude de um longo espasmo, a galhada sem folhas da flora sucumbida.
Desce a noite, sem crepúsculo, de chofre — um salto da treva por cima de uma franja vermelha do poente — e todo este calor se perde no espaço numa irradiação intensíssima, caindo a temperatura de súbito, numa queda única, assombrosa . . .
Ocorrem, todavia, variantes cruéis. Propelidas pelo nordeste, espessas nuvens, tufando em cúmulos, pairam ao entardecer sobre as areias incendidas. Desaparece o sol e a coluna mercurial permanece imóvel, ou, de preferência, sobe. A noite sobrevém em fogo; a terra irradia como um sol escuro, porque se sente uma dolorosa impressão de faúlhas invisíveis; mas toda a ardência reflui sobre ela, recambiada pelas nuvens. O barômetro cai, como nas proximidades das tormentas; e mal se respira no bochorno inaturável em que toda a adustão golfada pela soalheira se concentra numa hora única da noite.
Por um contraste explicável, este fato jamais sucede nos paroxismos estivais das secas, em que prevalece a intercadência de dias esbraseados e noites frigidíssimas, agravando todas as angústias dos martirizados sertanejos.
Copiando o mesmo singular desequilíbrio das forças que trabalham a terra, os ventos ali chegam, em geral, turbilhonando revoltos, em rebojos largos. E, nos meses em que se acentua, o nordeste grava em tudo sinais que lhe recordam o rumo.
Estas agitações dos ares desaparecem, entretanto, por longos meses; reinando calmarias pesadas — ares imóveis sob a placidez luminosa dos dias causticantes. Imperceptíveis exercem-se, então, as correntes ascensionais dos vapores aquecidos sugando à terra a umidade exígua; e quando se prolongam, esboçando o prelúdio entristecedor da seca, a secura da atmosfera atinge a graus anormalíssimos.
Higrômetros singulares
Não a observamos através do rigorismo de processos clássicos, mas graças a higrômetros inesperados e bizarros.
Percorrendo certa vez, nos fins de setembro, as cercanias de Canudos, fugindo à monotonia de um canhoneio frouxo de tiros espaçados e soturnos, encontramos, no descer de uma encosta, anfiteatro irregular, onde as colinas se dispunham circulando a um vale único. Pequenos arbustos, icozeiros virentes viçando em tufos intermeados de palmatórias de flores rutilantes, davam ao lugar a aparência exata de algum velho jardim em abandono. Ao lado uma árvore única, uma quixabeira alta, sobranceando a vegetação franzina.
O sol poente desatava, longa, a sua sombra pelo chão, e protegido por ela — braços largamente abertos, face volvida para os céus, — um soldado descansava.
Descansava... havia três meses.
Morrera no assalto de 18 de julho. A coronha da mannlicher estrondada, o cinturão e o boné jogados a uma banda, e a farda em tiras, diziam que sucumbira em luta corpo a corpo com adversário possante. Caíra, certo, derreando-se à violenta pancada que lhe sulcara a fronte, manchada de uma escara preta. E ao enterrar-se, dias depois, os mortos, não fora percebido. Não compartira, por isto, à vala comum de menos de um côvado de fundo em que eram jogados, formando pela última vez juntos, os companheiros abatidos na batalha. O destino que o removera do lar desprotegido fizera-lhe afinal uma concessão: livrara-o da promiscuidade lúgubre de um fosso repugnante; e deixara-o ali há três meses — braços largamente abertos, rosto voltado para os céus, para os sóis ardentes, para os luares claros, para as estrelas fulgurantes...
E estava intacto. Murchara apenas. Mumificara conservando os traços fisionômicos, de modo a incutir a ilusão exata de um lutador cansado, retemperando-se em tranqüilo sono, à sombra daquela árvore benfazeja. Nem um verme — o mais vulgar dos trágicos analistas da matéria — lhe maculara os tecidos. Volvia ao turbilhão da vida sem decomposição repugnante, numa exaustão imperceptível. Era um aparelho revelando de modo absoluto, mas sugestivo, a secura extrema dos ares.
Os cavalos mortos naquele mesmo dia semelhavam espécimens empalhados, de museus. O pescoço apenas mais alongado e fino, as pernas ressequidas e o arcabouço engelhado e duro.
À entrada do acampamento, em Canudos, um deles, sobre todos, se destacava impressionadoramente. Fora a montada de um valente, o alferes Wanderley; e abatera-se, morto juntamente com o cavaleiro. Ao resvalar, porém, estrebuchando malferido, pela rampa íngreme, quedou, adiante, à meia encosta, entalado entre fraguedos. Ficou quase em pé, com as patas dianteiras firmes num ressalto da pedra... E ali estacou feito um animal fantástico, aprumado sobre a ladeira, num quase curvetear, no último arremesso da carga paralisada, com todas as aparências de vida, sobretudo quando, ao passarem as rajadas ríspidas do nordeste, se lhe agitavam as longas crinas ondulantes . . .
Quando aquelas lufadas, caindo a súbitas, se compunham com as colunas ascendentes, em remoinhos turbilhonantes, à maneira de minúsculos ciclones, sentia-se, maior, a exsicação do ambiente adusto: cada partícula de areia suspensa do solo gretado e duro irradiava em todos os sentidos, feito um foco calorífico, a surda combustão da terra.
Fora disto — nas longas calmarias, fenômenos óticos bizarros.
Do topo da Favela, se a prumo dardejava o sol e a atmosfera estagnada imobilizava a natureza em torno, atentando-se para os descambados, ao longe, não se distinguia o solo.
O olhar fascinado perturbava-se no desequilíbrio das camadas desigualmente aquecidas, parecendo varar através de um prisma desmedido e intáctil, e não distinguia a base das montanhas, como que suspensas. Então, ao norte da Canabrava, numa enorme expansão dos plainos perturbados, via-se um ondular estonteador; estranho palpitar de vagas longínquas; a ilusão maravilhosa de um seio de mar, largo, irisado, sobre que caísse, e refrangesse, e ressaltasse a luz esparsa em cintilações ofuscantes...

Conteúdo completo disponível em:






          



   



   



   



   



Recomendamos para você:


#JustGo

Home - Tradução em Português - Nick Jonas | O TOURO FERDINANDO

Buscando Huellas - Tradução em Português - Major Lazer ft. J Balvin - Sean Paul

Hora de despertar - Thestrow - Rap Box

Lamentável parte 3 - Froid part. Cynthia Luz

I Got It - Tradução em Português - Charli XCX ft. Pabllo Vittar - Brooke Candy - CupcakKe

Let Shit Go - Tradução em Português - Chris Brown

Yoppa - Tradução em Português - Chris Brown ft. Trippie Redd

This X-Mas - Tradução em Português - Chris Brown

On Purpose - Tradução em Português - Chris Brown ft. AGNEZ MO

O Holy Night - Tradução em Português - Ellie Goulding

Livro Online: Os Sertões de Euclides da Cunha | Áudio Livro - PDF Download

Os Sertões de Euclides da Cunha | Áudio Livro - PDF Download

Livro Online: O Diário de Anne Frank | PDF Download

Macunaíma de Mário de Andrade | PDF Download

Dom Casmurro - Machado de Assis

Dom Casmurro - PDF Download Book Livro Baixar Online - Machado de Assis

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

São Paulo - História e Geografia - Conheça seu Estado - SP

Santa Catarina - História e Geografia - Conheça seu Estado - SC

História e Geografia do Estado de Mato Grosso do Sul - MS

História e Geografia do Estado do Paraná - PR

História e Geografia do Estado do Rio de Janeiro - RJ

Língua Portuguesa, Arte, Literatura e Atualidades

Arte e Estética

Side Effects - Tradução em Português - Ty Dolla Sign

Pesadão - IZA ft. Falcão

Big Jet Plane - Tradução em Português - Alok & Mathieu Koss

Chosen One - Tradução em Português - Youngboy Never Broke Again ft Kodak Black

Feels Great - Tradução em Português - Cheat Codes ft. Fetty Wap & CVBZ

Ser Humano - Fabio Brazza

Na faixa - Saudosa Maloca

Olhares - Cynthia Luz e Sant

Heart Shaker - Tradução em Português - TWICE

Heart Shaker - TWICE

Check-In - Luan Santana

Poesia Acústica #3 - Capricorniana - Sant | Tiago Mac | Lord | Maria | Choice | Pineapple StormTV

Downtown - Tradução em Português - Anitta feat. J Balvin

Downtown - English Translation - Anitta feat. J Balvin

Não Troco - Hungria Hip Hop

Vai Ma andra - Anitta

Vai Malandra - Anitta | Letra da Música

Vai Malandra - Funk - Anitta ft. MC Zaac

Vai Malandra - Letra da Música - Anitta ft. MC Zaac, Maejor, Yuri Martins e Tropkillaz

Vai Malandra - Anitta ft. MC Zaac, Maejor, Yuri Martins e Tropkillaz - CheckMate

Vai Malandra - Anitta

Vai Malandra - Anitta

Vai Malandra - Anitta | Letra da Música

Vai Malandra - Anitta | Letra da Música

São Paulo SP - História e Geografia

Santa Catarina - História e Geografia - SC

História e Geografia do Estado de Mato Grosso do Sul - MS

História e Geografia do Estado do Paraná - PR

História e Geografia do Estado do Rio de Janeiro - RJ

Economia em 1 Minuto - Sanderlei Silveira

Língua Portuguesa, Arte, Literatura e Atualidades

Totvs - Datasul - Treinamento Online (Gratuito)

Mein Kampf - Minha luta - Adolf Hitler

Livro Online: Dom Casmurro de Machado de Assis | PDF Download

Livro Online: Macunaíma de Mário de Andrade | PDF Download

Livro Online: O Diário de Anne Frank | PDF Download

Livros em PDF para Download - Domínio Público

Educação Infantil 5 - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Poema - Poesias - Sonetos

Curso Online de SAP - Grátis - Free - Treinamento Gratuito

Livro Online: Os Sertões de Euclides da Cunha | Áudio Livro - PDF Download

by Sanderlei Silveira -  http://sanderlei.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário